18 agosto 2013

{Convite à Leitura} Eurídice (José Lins do Rêgo)



Olá blogueiros,

No Convite à Leitura de hoje ofereço à vocês mais um clássico da nossa Literatura Nacional, desta vez uma obra de teor intenso e de qualidade inigualável: Eurídice, de José Lins do Rêgo.



Romance em que o autor deixa de lado as intenções regionalistas. É dividido em duas partes. A primeira descreve a infância dramática da personagem principal. A segunda a sua adolescência afetada pelo drama da infância. A leitura é muito agradável e facilitada pelos capítulos curtos. Parece ter havido a intenção de permitir que o livro fosse lido num transporte coletivo ou em viagens curtas.



Páginas: 181
Editora: José Olympio
Gênero: Literatura Nacional / Romance

Sinopse: O romance se escreve na primeira pessoa. E é a história atormentada do moço Júlio, que depois de cometer um crime, conta a sua vida, se volta para a infância, reconstitui o seu destino.



O cenário é a cela de um presídio no Rio de Janeiro. A personagem principal é o prisioneiro Júlio, 20 anos de idade, estudante de direito. Na falta do que fazer resolve escrever sobre sua vida e dizer só a verdade. O companheiro de cela, um homem taciturno a quem ele falou uma única vez sobre seus escritos e teve resposta enigmática sobre as boas intenções de um tio de Júlio que esconderiam algo e isso será uma preocupação constante. Não mais se falaram.

Este companheiro irá se suicidar quando estiver próximo do término da pena, para fugir de responsabilidades. Júlio, filho temporão, tem duas irmãs e a mãe, D.Leocádia, uma mulher amarga que demonstra desamor doentio pelo filho temporão. Ele causava a ela um constrangimento. Talvez a coincidência do nascimento com a falência dos negócios do pai tenha agravado o problema afetivo. Desejava que ele não houvesse vingado. O pai morre pouco depois. Isidora, a irmã mais moça, dá a ele todo o amor que a mãe nega.


“Os grandes escritores têm a sua língua, os medíocres, a sua gramática. ”
― José Lins do Rego


Ela fica noiva de um médico, Dr. Luiz, com total apoio da mãe, ganha posição privilegiada e provoca a inveja da irmã mais velha, casada contra a vontade da mãe. Muitas brigas ligadas a herança ocorrerão, inclusive na justiça. Júlio direciona para a irmã o amor que seria para a mãe, com muito mais intensidade do que seria o normal. Ama Isidora de forma doentia. Na mesma medida que ama a irmã ele odeia o noivo, que considera estar roubando o amor que é dele. O repúdio e a aspereza da mãe deformará a personalidade de Júlio de forma terrível. O amor que a irmã lhe dedica não atenuará essas deformações e o amor que Júlio lhe tem também é doentio. Metade dos escritos na cela é para descrever o drama do menino de dez anos implorando, sem sucesso, uma demonstração de carinho.

Em Eurídice o autor atinge no plano da profundidade uma grandeza imensa, não encontramos nesta obra um romance forjado de floreios e babaquices para ludibriar o leitor, é um texto que lhe prende e que ao mesmo tempo nos faz pensar e questionar o porquê das ações de cada personagem. A angústia, a solidão, é uma espécie de espanto retrospectivo da mente critica e pensante ao remoer as pesadas torturas e injustiças que chegam até nós como que endurecidas e ressecadas por um anterior processo de recalcamento e de pavor. Esta é uma obra para aberturas de bons debates sobre a mente e as atitudes humanas. E claro... Um ótimo livro para rever seus próprios conceitos!




7 comentários:

  1. Ops.... Quero Muito Ler --> s2
    Foi pra lista >.<

    http://euleiosophieoliver.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  2. Hum... esse tipo de livro eu gostava de ler na adolescência hoje eu dia corro mais para o sobrenatural rsrsrsrs, mas bel legal a sua dica... Xero!!!

    http://minhasescriturasdih.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  3. Oi
    Li esse livro na época do colégio, mas já se passaram tantos anos, que não lembro bem os detalhes da história.
    Vou reler ;)
    Parabéns pela resenha
    Beijinhos
    Renata
    Escuta Essa

    ResponderExcluir
  4. Oi sol, adoro capítulos curtos, mais não gosto de dramas, ou muito drama.. hehe
    Não leria, não agora..

    beijos Mila
    Tem resenha nova no Daily
    http://dailyofbooks.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  5. Olá Rubens, tudo bem?
    Gostei muito da sua resenha, da maneira como você descreve a história. Já li este livro, mas fazem muitos anos e não me lembro mais da história... No momento não leria, mas com certeza é uma boa pedida, para quem gosta de livros com drama e muitas reflexões sobre o ser humano.
    Lia Christo
    www.docesletras.com.br

    ResponderExcluir
  6. Dica anotada!!

    Gostei da capa e ler Jose Lins do Rêgo é uma delícia e eu adoro um bom drama!!!

    bjsss

    Bianca

    Eu gostei da capa,mas não sei se leria o livro.

    Retribuindo a visita e seguindo...

    bjsss

    Bianca

    http://www.apaixonadasporlivros.com.br/

    ResponderExcluir
  7. Oi Rubens
    Engraçado Eurídice foi um dos poucos livros que consta como leitura obrigatória que eu não li. Não sei se leria hoje, mas valeu.

    ResponderExcluir

Olá, leitores e blogueiros.
Os comentários de vocês são muito bem-vindos.
Respondo a todos, deixe o link de seus blogs,
vou adorar visitar e comentar.

Bem vindos a Love Books.